Blog do HP

E-mail

peixototv3@gmail.com

WhatsApp

63 9985154180

Prefeitura de Palmas Covid março
Oportunismo

Deputados contestam Lira, que chama de oportunismo crítica por área da imprensa na Câmara

Os profissionais deverão ser migrados para um espaço menor e mais distante das atividades do plenário

11/02/2021 11h55
Por: Paula Carvalho
(Foto: HPP)
(Foto: HPP)

Deputados contestaram nesta quarta-feira (10), durante a votação da autonomia do Banco Central, a decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de transferir jornalistas que cobrem o Legislativo para uma sala sem janelas em plena pandemia de Covid-19.

A mudança estava prevista para esta quinta-feira (11). Os profissionais deverão ser migrados para um espaço menor e mais distante das atividades do plenário.

Com a medida, Lira pode se livrar de ser abordado pela imprensa, pois terá acesso direto ao plenário da Câmara.

Hoje, ele precisa passar por uma área de circulação de jornalistas e representantes da sociedade que frequentam a Câmara -o chamado Salão Verde. Quando passam por essa área, os presidentes da Casa são geralmente questionados sobre pauta de votações, decisões polêmicas e demais fatos políticos.

No plenário, o deputado Hildo Rocha (MDB-MA) contestou a decisão de Lira e afirmou que a área atual onde se localiza o comitê "é muito grande para comportar apenas uma pessoa". Lira autorizou obras para transferir o gabinete da presidência da Casa para a área hoje usada pelos jornalistas.

"Ali funciona o comitê de imprensa com mais de 60 pessoas a cada turno", disse.

Ele defendeu que Lira coloque a medida em votação no plenário -há um projeto de resolução a ser votado sobre o tema, mas não está na pauta desta quarta.

"Não é possível que Vossa Excelência queira botar nos porões desta casa os profissionais da imprensa. Eles merecem muito mais, merecem respeito, merecem consideração e merecem nosso carinho."

A deputada Erika Kokay (PT-DF) também criticou a decisão. "O presidente da Câmara tem medo da imprensa, quer fugir da imprensa, está desalojando a imprensa do lugar que ela ocupa desde sempre porque quer fugir da imprensa", afirmou.

Em resposta, Lira afirmou que a decisão havia sido tomada pela Mesa Diretora anterior e foi apenas convalidada pela nova gestão. "O que a imprensa reclama é que não pode ficar distante do plenário. E nós vamos conversar e dialogar como sempre fizemos, para acharmos uma solução viável, que atenda a todos, não só à imprensa, mas principalmente o funcionamento desta Casa com a ajuda da imprensa", afirmou.

O presidente da Câmara criticou alguns colegas que levaram a discussão a plenário. "Sem nenhum tipo de proselitismo, sem nenhum tipo de demagogia, sem nenhum tipo de querer fazer e oportunizar o momento para querer criticar o que não é justo, esta Casa fará a discussão", disse.

Apesar de acenos a diálogo, Lira disse que a decisão da mesa está tomada e que nenhum lugar era imexível. "Mas nós iremos dialogar para dar um conforto e maior possibilidade de que a imprensa exerça seu papel sempre com democracia e nenhum tipo de oportunismo político."

Na resposta, ele afirmou não ver "nenhum problema" no lugar que foi oferecido à imprensa. "Uma sala de 107 metros quadrados, com copa, com banheiro, com todo sistema analógico, com todo sistema virtual para acessibilidade, com as baias, 40 baias", disse.

Além de banheiros, o comitê atual tem 54 espaços, cabine de imprensa, para entrevistas reservadas, e janelas.​

O atual comitê dá acesso ao plenário da Câmara e facilita o trânsito de jornalistas pelo Salão Verde. A nova sala fica no térreo, um andar abaixo do plenário, e também não dá acesso direto ao Salão Verde.

Por causa da pandemia, o acesso ao plenário está proibido para jornalistas. O trabalho da imprensa é realizado no Salão Verde ou no Salão Negro, local que foi preparado de acordo com as medidas de segurança contra a Covid-19 para entrevistas coletivas -quase que diárias- do ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) e outros parlamentares.

Lira ressuscitou um projeto do ex-presidente da Casa Eduardo Cunha (MDB-RJ). A obra no local envolve a instalação de um elevador para cadeirantes no gabinete.

A mudança também chegou a ser discutida quando o PT comandou a Câmara, mas não avançou.

O Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) só deu aval à obra durante a gestão de Cunha. O emedebista pretendia realizar a reforma, mas acabou afastado e preso pela Operação Lava Jato acusado de receber propina por contratos com órgãos públicos e da Caixa Econômica Federal.

"A intervenção, como foi concebida, não apresenta riscos de descaracterização do edifício e se restringe basicamente à reorganização e redistribuição interna de diversos ambientes de trabalho, conferindo mais clareza à organização e distribuição dos ambientes internos do edifício, não havendo nenhuma alteração, seja na volumetria do edifício, suas fachadas ou obras de arte integradas", afirma o Iphan.

Lira foi eleito para comandar a Casa no primeiro turno com ajuda do governo Bolsonaro, que distribuiu cargos e emendas para partidos aliados em troca do apoio ao candidato alinhado ao Palácio do Planalto.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias